Um decreto, milhares de mortes

Por Fonte83 - 05/04/2021

Sinceramente, eu não gostaria de estar na pele dos governantes deste país agora. Especialmente governadores e prefeitos.

Como decidir sobre a morte? Até então, apenas a Deus cabia essa responsabilidade. Agora, ela é de todos nós. Todos sem exceção. Gestores e população.

Imaginem a pressão que é: de um lado uma minoria insiste na manutenção de medidas restritivas duras para barrar o quanto puder o avanço do Coronavírus. Do outro, uma massa gigantesca e poderosa clama a abertura do comércio sob a justificativa – compreensível – de que não aguentam mais e que o fechamento das portas pode se tornar permanente culminando em milhares de demissões.

É o velhíssimo ditado que diz: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

Deve realmente ser desesperador acordar e não ter o que oferecer aos filhos para comer. Quem nunca passou por isso, como eu, nunca vai saber dimensionar essa realidade cruel e a dor avassaladora trazida por ela.

Entre a cruz e a espada, os governantes – ao menos os sensatos – apelam para o bom senso da população. Diga-se de passagem, muitos estão fazendo pouquíssimo caso da violência dessa doença massacrante e devoradora de vidas humanas.

No feriadão antecipado, ao contrário do recomendado, muitos se espalharam por festas clandestinas onde o uso do álcool (não o que combate o Coronavírus) foi garantido, mas o da máscara esquecido.

É fato o nosso costume de sempre apontar o dedo para os governantes. E eu não quero aqui isentá-los das suas responsabilidades, de forma alguma.

Combinemos, entretanto, que mirar apenas neles neste momento é um tanto mesquinho diante da realidade dos negacionistas que minimizam os efeitos da covid, ignoram as recomendações das autoridades em saúde e debocham, literalmente, das milhares de pessoas que perderam entes queridos para a doença.

É por causa desses que o novo decreto do Governo da Paraíba liberando geral me deixa com medo e com crises sequenciais de ansiedade.

Para mim, infelizmente, esse documento deveria ter vindo com a lista de nomes dos mortos pela pandemia no estado em anexo.

E nessa lista, além desses nomes, um espaço bem grande em branco, já que infelizmente a consequência disso pode ser outros milhares de mortos.