Política da segunda onda ou segunda onda da política?

Por Fonte83 - 28/12/2020

Degravando a entrevista que o médico Roberto Kalil concedeu ao comunicador Fabiano Gomes no último sábado, uma fala em especial me chamou a atenção, entre tantas coisas importantes que ele disse. Ele foi conciso em afirmar que não existe segunda onda da covid-19 no Brasil.

A fala do cardiologista mais renomado do país não foram palavras jogadas ao vento, porque o especialista apontou dados que me fizeram pensar: estamos vivendo a política da segunda onda ou a segunda onda é apenas uma invenção política?

Para Roberto Kalil, em um país onde na fase decrescente da contaminação pelo novo Coronavírus morriam mais de 500 pessoas por dia, não tem como dizer que a primeira onda acabou.

Ela nunca deixou de existir. Esse tsunami que tem levado mais de mil pessoas à morte no Brasil nunca passou. E isso fortalece o discurso daqueles que colocam nas eleições a culpa dessa curva crescente que ocorreu no último mês.

Aqui em João Pessoa, onde acompanhei de perto – de forma virtual – a campanha dos candidatos a prefeito e vereadores era nítido a falta de cuidados de todos, sem exceção. O uso de máscara nem sempre era prioridade. Os abraços e apertos de mãos não deixaram de existir e aqueles que estavam à serviço do poder tiveram que ir às ruas levantar e balançar bandeiras.

Apegados a essa imagem, nós, povo, cidadãos, também relaxamos. Lotamos bares, restaurantes, desrespeitamos o distanciamento nas filas, fizemos confraternizações, aglomeramos.

Impedimos que a primeira onda acabasse e o que estamos vivendo hoje é nitidamente a consequência dos atos políticos, mas também dos atos individuais.

Agora, para não culpar a si mesmos e a campanha eleitoral que não se conteve e tomou conta das cidades, eles usam o argumento da segunda onda e afirmam ser ela já esperada.

Mas… quem é que espera perder a mãe, o pai, o irmão de forma prematura? Quem é que espera ver sua família destroçada por uma doença como essa? Quem quer isso?

Ninguém!

Meta para 2021
Todos os anos listamos metas para o ano que chega. Agora resumimos qualquer relação a um só item. Sobreviver!

Meta das gestões
Tem que ser cuidar dos que sobreviveram a covid-19 mas ficaram sequelados ou falidos.

Meta do Brasil
Sobreviver ao Coronavírus e ao desgoverno federal e seu negacionismo.