“O partido está sendo chantageado”, diz Anísio sobre intervenção no PT provocada por Ricardo

Por Fonte83 - 17/09/2020

O deputado estadual Anísio Maia (PT) rebateu fortemente a executiva nacional do partido e reafirmou que não vai desistir da candidatura à Prefeitura de João Pessoa. Para Anísio, a intervenção nacional no diretório municipal, para que o partido apoie o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), é fruto de uma chantagem feita por Ricardo.

O deputado afirmou, durante entrevista à Arapuan FM, que o PT da Capital procurou o PSB e Ricardo diversas vezes neste ano para debater o processo eleitoral e procurar uma aliança política, mas sempre foi renegado.

“Convidamos varias vezes essas pessoas e ele (Ricardo) continuou se negando, continuou fazendo chantagem a nível nacional. Ele agiu nas sombras. Ele não é de diálogo, fomentou uma briga com João Azevêdo e terminou quase que acabando com o PSB, que hoje é um partido fraquíssimo na Paraíba e ele quer fazer isso com o PT com esse processo de violentar um partido e de intervenção. Esses métodos autoritários e radicalizados não levam nenhum partido de esquerda a crescer. Quem constrói eleição com autoritarismo e violência, quando ganhar a eleição vai fazer a mesma coisa”, afirmou o deputado.

Anísio lembrou que na véspera da convenção, realizada nessa quarta-feira (16), manteve contato e chegou a um acordo com o PT para que a convenção realmente acontecesse, homologando a sua candidatura. Porém, o diretório municipal foi surpreendido com a intervenção.

“Chegamos a um acordo com o partido, que nos deu autorização para fazer a convenção. Digo a todos os filiados e simpatizantes, não só do PT, mas para aqueles que lutam pela democracia. Nós vamos resistir. Aceitaríamos o processo se juntasse os três diretórios e se debatesse, mas dessa forma autoritária e coronelesca nós não vamos nos submeter. O pouco apoio que ele tinha no PT, perdeu. Acho difícil alguém no PT se submeter a ser vice nessas condições. Seguiremos firmes. Vamos até onde pudermos com os meios legais de manter a nossa candidatura. Resistir é uma questão de dignidade política. Me peçam tudo, menos desistir”, terminou o deputado.