O bastão é de Venê

Por Fonte83 - 16/02/2021

Vice-presidente do Senado.
Único, entre seus pares, a ter dois votos no plenário.
Afinado com o presidente nacional do partido, Baleia Rossi.
As credenciais de Veneziano Vital fazem dele candidato natural a suceder José Maranhão no comando do MDB paraibano.
Mais que isso: o cenário o torna única via inteligente.
Quem, além dele, teria voz mais audível perante os caciques emedebistas?
Quadros históricos do partido na Paraíba podem até se assanhar…
E vão!
Não é realmente pouca coisa o que está em jogo:
O MDB é uma das maiores legendas do Estado. E , junto com o bastão do comando, vem prestígio, dinheiro e poder.
Aparadas as arestas da cobiça, porém, os emedebistas têm que ter em tela um fator incontestável:
Qualquer outro nome que não seja o de Veneziano apequenaria o partido diante da cúpula nacional.
É preciso reconhecer ainda que ele soube se viabilizar para o cargo, construindo relações na alta cúpula do partido e garantindo sua eleição estratégica na Mesa Diretora do Senado.
Voltar ao partido na hora certa foi o arremate final de uma história predestinada a acontecer.