Eu não tenho presidente da República

Por Fonte83 - 05/01/2021

Foi uma sensação horrível. O coração disparou, as penas tremeram, o estômago “explodiu” em dor. Eu corri, não consegui ficar só sabendo notícias. Com os devidos cuidados, respeitando todos os protocolos de higiene, ‘voei’ para Solânea.

Receber a notícia de que meu pai estava sendo levado para o hospital, com suspeita de covid-19, abriu um buraco embaixo de meus pés. A vista escureceu, as lágrimas caíram. 

Era medo. Um medo absurdo! E isso nada tem a ver com questão de fé. A fé permaneceu, mas o medo é inevitável.

Para tranquilizar, ele não precisou ficar internado. Após a observação, medicado e feito os exames necessários, voltou para casa. Está em tratamento. Estamos cuidando.

O isolamento necessário afastou quase todos, em especial os que fazem parte do grupo de risco. O home office me privilegiou. A saúde plena também me beneficiou. 

E toda essa narrativa não é apenas para falar sobre a sensação de ter alguém que ama em perigo pelo Coronavírus. É também um alerta. Um pedido de socorro aos nossos governantes – especificamente prefeitos e governador, porque presidente da República eu não tenho.

Por favor senhores, eu sei que o momento ainda é de intensificar os cuidados no atendimento da covid-19, mas é urgente pensar em políticas públicas para tratar a mente, o emocional daqueles que enfrentam, enfrentaram, ou perderam pessoas amadas por causa dessa doença.

Ninguém que tenha o mínimo de empatia vai sair psicologicamente ileso dessa pandemia e é preciso atenção máxima com isso para depois não termos que lutar contra a pandemia da depressão, de síndrome do pânico, de transtorno de ansiedade, ou tantos outros transtornos.

Esse apelo, claro, deveria também estar sendo feito ao presidente da República, se eu tivesse um, mas não tenho.

Uma pessoa como aquela que incentiva a aglomeração, que desdenha das mortes registradas e das famílias enlutadas, que despreza a ciência e barra a vacinação que protege, eu não posso chamar de presidente.

Aliás, eu não posso nem chamar de gente.