Desmoralização pública e a cumplicidade do silêncio

Por Fonte83 - 28/01/2021

Em mais um episódio de desrespeito, vulgaridade e quebra de decoro, o senhor presidente da República, Jair Bolsonaro, eleito com milhões de votos entre os quais NÃO esteve o meu, protagonizou novamente uma cena de desmoralização pública contra a classe jornalística.

Utilizando-se, aliás como sempre, de palavras chulas, ele vomitou ofensas que foram aplaudidas por aqueles que o acompanhavam no momento do derrame e que o acompanham no compartilhamento de ideias malversadas.

E ele se sente a vontade fazendo isso. Não apenas por ser, em tese, um Chefe de Estado, mas porque conta com o apoio do silêncio da maioria de nós, jornalistas, comunicadores, entidades representativas dessa classe que, ao menos aqui na Paraíba, não se manifestam. Ora, aqui já vimos até um magnata da comunicação defender o apedrejamento desses profissionais. Em quem será que ele se espelhou?

Esse silêncio se faz cúmplice e fortalece a desvalorização dessa categoria que já vem, há anos, sofrendo com mudanças que nos arrastam para o descrédito. Mais que isso, esse silêncio nos deixa impotentes, desmotivados, desgastados.

É por isso que precisamos, todos, reagir já! Essa condição separatista que nós mesmos nos impusemos quando preocupamo-nos apenas com nosso próprio umbigo está nos levando rapidamente a um abismo onde não há possibilidades de soerguimento.

Urge a necessidade de nos unirmos e bradarmos um grito de indignação para que todos sejam respeitados, porque se um Chefe de Estado nos trata assim, o que esperar de quem está abaixo do cargo dele?